Há muitas pessoas que me perguntam como se podem libertar de pensamentos negativos. Eu gostaria de colocar outra pergunta, que é: como podes provocar ou atrair pensamentos positivos?  

Este conceito das emoções positivas tem sido amplamente trabalhado e discutido por uma psicóloga norte-americana Barbara Fredrickson. É especialista em Psicologia Positiva e é muito conhecida, no meio académico, por Dra. Positividade. Ela trabalha muito sobre este tema da geração de emoções positivas.  

Barbara Fredrickson escreveu um livro, recomendadíssimo, que se chama “Amor 2.0”. Trata sobre como as nossas emoções supremas afetam tudo o que sentimos, tudo o que pensamos, tudo o que fazemos e tudo aquilo em que nos tornamos. Livro altamente recomendado! 

A mensagem é de que está na hora de uma grande mudança de paradigma. Temos, claramente, de fazer uma escolha, e esta escolha é escolher a esperança em vez do medo. Escolher a esperança, o amor, a bondade, a positividade em vez do medo e de tudo aquilo que é negativo. Porque o medo fecha o nosso coração, o medo fecha a nossa mente. Por outro lado, as emoções positivas abrem as mentes e os corações, e isto ajuda-nos muito a enfrentar os desafios do nosso dia a dia, com olhos transparentes e com soluções criativas que vão surgindo, naturalmente. Quando tens um bom suporte de emoções positivas, estás preparado para encontrar soluções e para superar todas as dificuldades que encontrares no teu dia a dia. Estas emoções positivas de que falo são: o amor; a alegria; a gratidão; o interesse e esperança. Elas mudam a nossa mentalidade, porque também afetam a nossa bioquímica. Muitos estudos, feitos na área das neurociências, demonstram que determinadas emoções fazem com que o nosso cérebro se agregue, num determinado de hormonas, que nos proporcionam bem-estar, mais tranquilidade, mais serenidade. 

Afinal o que é a felicidade? 

Nós podemos mudar a nossa mentalidade e ao mudar podemos, através das emoções positivas, fazer com que o nosso cérebro segregue mais destas hormonas positivas: as hormonas da serenidade, da bondade e da abundância, se quiseres. Essas grandes fontes naturais de sensações positivas, que te vão fortalecer, em vez de te enfraquecer com o medo. É muito importante que estas emoções sejam sinceras, sejam geradas de uma forma sincera contigo próprio. Se forem geradas de uma forma sincera e honesta, como te vamos ensinar a seguir, elas de facto mudam a mentalidade, afetam a tua bioquímica e mudam toda a tua vida. Só isto, só esta arte de produzir emoções positivas.  

A Barbara, nesta descoberta pelas emoções positivas, descobriu que há um ponto crítico: “as emoções obedecem a um ponto de inflexão”. O que será isto? Isto é a proporção das emoções negativas versus as positivas. Então, o que será isto deste ponto crítico? É a proporção entre as emoções positivas e as emoções negativas.  

E, antes de calcular esta proporção, é muito importante compreendermos que as emoções positivas dissolvem as negativas. Às vezes, queremos afastar, repulsar, abandonar, súbita e imediatamente, as emoções negativas, e não é esse o procedimento certo, as emoções não se deixam abafar. Nós precisamos é de fomentar o aparecimento de emoções positivas, porque há um rácio de 3 para 1, o chamado rácio da positividade. Três emoções positivas para cada emoção negativa. Não é útil - e isto é muito importante - não é útil, pelo contrário, é altamente contraproducente, tu pressionares-te a ser positivo. Fechar os olhos a tudo o que é negativo, afastar-te das pessoas negativas, pode levar a efeitos altamente negativos e a uma falsidade tóxica. Podes estar a transformar-te numa pessoa tóxica ao rejeitar os aspetos negativos da vida, do mundo e das outras pessoas também. Não é nada útil e não é boa ideia tentares forçar-te a ser positivo.

A solução é criar uma mentalidade de positividade e esta é a verdadeira solução, para podermos gerar emoções positivas a toda a hora, para equilibrarmos permanentemente este rácio. Para isso, ser aberto, ser apreciativo, ser gentil, ser verdadeiro. Ser aberto, neste sentido, significa libertares-te das expectativas rígidas. Às vezes, temos expectativas e ficamos quase que obcecados pelo cumprimento dessas expectativas que, muitas vezes, nem sequer são realistas. Estamos agarrados a um conjunto de crenças do passado, completamente fora do prazo e, ainda assim, esperamos que as outras pessoas hajam mediante esse conjunto de crenças. É preciso expandir a consciência e para isto ajuda muito a atitude ‘mindfulness’, aberta a todos os sentidos, aberta à compreensão das coisas como elas realmente são, e não como nós gostaríamos que fossem. Se prestarmos atenção à nossa volta, estamos cercados por fontes de bondade quer da Natureza, da vida... A vida é uma imensa fonte de bondade, que é também a Natureza humana. As pessoas, a interação entre as pessoas, há muitos exemplos de bondade. A verdade é que há pessoas más, mas eu conheço muito mais pessoas muito boas do que pessoas muito más. 

Então, é preciso largar estas expectativas obsessivas e lembrares-te disto: não é possível eliminar a negatividade, portanto, nem sequer tentes fazê-lo. As emoções negativas não podem ser totalmente banidas, apenas mantidas na proporcionalidade. O que é que isto quer dizer? Isto significa que se tentares reprimir essas emoções negativas, isso não vai fazer com que elas desapareçam. Vai fazer com que desapareçam, no máximo, do teu consciente. Elas vão ser reprimidas pelo teu inconsciente e lá vão continuar a ter os seus efeitos perversos e, muitas vezes, quase que inconscientes. 

Portanto, não tentamos anular estas emoções negativas, isto não é útil. Há momentos em que eu estou triste, há momentos em que eu estou deprimido, há momentos em que eu me sinto mais frágil, mais fraco e está tudo bem. Isto faz parte desta imensa e maravilhosa experiência, que é a vida. As emoções negativas fazem parte do nosso quadro, portanto, vamos deixar de as tentar eliminar, porque isso não só não é possível, como também nem sequer é útil. Por outro lado, quando somos absorvidos, por ideias negativas e por pensamentos negativos, podemos questionar essa nossa negatividade, estas ideias negativas, estes medos. Tentar perceber se elas estão relacionadas com as nossas velhas crenças e, fundamentalmente, com a crença da insuficiência: a crença de que eu não sou suficientemente bom, não sou suficientemente capaz, não sou suficientemente merecedor de conquistar alguma coisa para mim. E então, questiona se isso não tem a ver com velho padrão de pensamento inspirado nas tuas crenças e modela novos comportamentos, mas sim, aceitando que esse comportamento está lá. Não ignores essas tuas vozes interiores porque questionando a negatividade tu também vais poder evitar conclusões precipitadas.  Às vezes abandonamos determinadas coisas só porque não estão a correr tão bem. Batemos na mesa, viramos as costas, batemos com a porta, e isto, em relação às nossas relações, mas também em relação, por exemplo, a alguma atividade: “eu hoje quero muito, mas depois apanho alguma coisa, que é mais desagradável, então, já deixo de fazer”, e concluo aquela atividade antes de a concluir, ou seja, dou como concluída, antes dela estar concluída de facto.

Assim se dá, também, este mecanismo da velha procrastinação, o tal empurrar com a barriga, em que muitos de nós somos especialistas e que também nos leva aos pensamentos ruminantes - os pensamentos que estão sempre a voltar sempre a voltar sempre a voltar. Eles estão sempre a voltar, porque tu ignoraste esta mensagem que esta emoção negativa te estava a trazer. Tentaste reprimi-la, tentaste ignorá-la, não lhe prestaste atenção, não percebeste qual a mensagem que ela te está a querer transmitir. Porque, se tu perceberes essa mensagem, podes utilizar esse desconforto a teu favor, porque este desconforto também causa movimento, também impele para uma mudança. É uma fonte de grande motivação até, para as mudanças. Então, reconhece as emoções negativas, reconhece os pensamentos negativos, mas questiona-os, efetivamente, no sentido de os deixar sem argumento para poder prosseguir. 

 E prosseguir pensando nas emoções positivas. Estas, por oposição às emoções negativas, afetam de uma forma muito benéfica os nossos relacionamentos. Nós ficamos a pensar mais no coletivo e menos no individual, e estas emoções positivas unem as pessoas em torno de algo coletivo: pode ser um ideal, uma organização ou simplesmente um grupo de amigos ou de familiares. Então, estas emoções positivas são absolutamente essenciais para a qualidade dos nossos relacionamentos. Muitas vezes vamos aos nossos relacionamentos à procura de emoções positivas, à procura de uma transformação mágica das nossas emoções negativas em emoções positivas. No fundo, vamos com a nossa negatividade à procura de positividade do outro e, quando encontramos, às vezes tentamos sugá-la para nós, outras vezes acabamos, até mesmo, por destruir.

Muitas vezes, uma pessoa mais pessimista, mais negativa, com emoções mais carregadas em termos negativos, pode neutralizar as emoções positivas de outra pessoa, dependendo da forma como estiver equilibrado o rácio - vamos ver o rácio um pouco melhor, mais à frente. Vamos aos relacionamentos para nos nutrir de sentimentos positivos, mas como levamos as nossas emoções e os nossos sentimentos negativos, e pensamentos, naturalmente, vamos trazer de lá, também, esse feedback. Naturalmente, vai manter-se esta crença de que os relacionamentos não são suficientemente bons. Por outro lado, as emoções positivas dão sabor à vida, tornam-nos pessoas efetivamente melhores. E há uma forma de aumentar a nossa positividade, que é prestar mais atenção às nossas emoções, monitorizar o nosso rácio todos os dias, descobrir aquilo que nos faz sentir vivos, dedicar tempo a estas atividades que nos fazem sentir bem, procurar alegria, procurar um sentimento de paz, procurar aquilo que nos faz vibrar. Caminha, dança, pinta, canta, saí com amigos, faz jantares, qualquer coisa que te faça vibrar.  

É uma prioridade para ti. Alimenta-te de emoções positivas, dá a ti próprio essa oportunidade que é tão importante, dá-te oportunidade de largar o medo e escolher a esperança.  

Estamos juntos! Estamos a mudar o mundo, uma pessoa de cada vez, e o teu mundo vai mudar a partir do momento em que começares a gerar emoções positivas.

Para teres acesso a 20 dicas úteis sobre como gerar estas emoções carrega AQUI